ESQUECIMENTO

Como diferenciar o esquecimento do idoso entre normal, alterado (comprometimento cognitivo leve) ou avançado?

O médico deve fazer uma avaliação minuciosa e cuidadosa do paciente, com a entrevista e aplicação de alguns testes. Essa diferenciação é importante pois ela vai determinar se haverá necessidade de tratamento e qual será esse tratamento.

1. Sintomas do Esquecimento Normal do Idoso

  • Redução leve da memória episódica:
    Tipo de memória responsável pela lembrança de fatos da vida.
    Exemplos: esquecer-se de “viagens”, ou do “que jantou na noite anterior”.
  • Redução leve da fluência verbal, nomeação e capacidade de compreensão:
    Fluência Verbal: “Diga o maior número de nomes de animais em 1 minuto”;
    Nomeação: Mostrar figuras e pedir para o idoso nomeá-las;
    Compreensão: É a capacidade do paciente de entender algo.
  • Capacidade de leitura preservada.

2. Sintomas do “Comprometimento Cognitivo Leve”

  • O idoso queixa-se em relação à memória e essa queixa confirmada por um informante;
  • Observa-se alteração da memória nos testes;
  • Função cognitiva geral normal: falar, ler, reconhecer faces;
  • Atividades rotineiras da vida diária preservadas: “vestir-se”, “por a mesa”;
  • Não preenche critérios para o diagnóstico de Demência.

3. Demência

Critérios para diagnóstico de demência.

Diagnosticada quando há sintomas cognitivos ou comportamentais que:

  • Interferem na habilidade de trabalho ou em atividades usuais;
  • Representam declínio em relação a níveis prévios de funcionamento e desempenho;
  • Não são explicáveis por delirium ou doença psiquiátrica maior.

É considerado Demência quando os comprometimentos cognitivos e/ou comportamentais afetam no mínimo DOIS dos seguintes domínios:

  • Memória:
    Comprometimento para adquirir ou evocar informações recentes, com sintomas que incluem repetição das mesmas perguntas ou assuntos, esquecimento de eventos, de compromissos ou do lugar onde guardou seus pertences
  • Funções Executivas:
    Comprometimento do raciocínio, da realização de tarefas complexas e do julgamento, com sintomas como compreensão pobre de situações de risco, redução da capacidade de cuidar das finanças, de tomar decisões e de planejar atividades complexas ou sequenciais
  • Habilidades Visuais-Espaciais:
    Incapacidade de reconhecer faces ou objetos comuns e de encontrar objetos no campo visual, dificuldade para manusear utensílios e para vestir-se
  • Linguagem (expressão, compreensão, leitura e escrita):
    Dificuldade para encontrar e/ou compreender palavras e erros ao falar e escrever, com trocas de palavras ou fonemas
  • Personalidade ou Comportamento:
    Alterações do humor (labilidade e flutuações incaracterísticas), agitação, apatia, desinteresse, isolamento social, perda de empatia, desinibição e comportamentos obsessivos, compulsivos ou socialmente inaceitáveis/inadequados

DR. MARCOS PAULO BETINARDI
PSIQUIATRA ESPECIALIZADO NO ATENDIMENTO A IDOSOS

  • Médico Psiquiatra Especializado em Psicogeriatria
    (Psiquiatra Especialista em Idosos)
  • Pós-Graduado em Geriatria e Gerontologia pela PUCRS
  • Pós-Graduado em Neurologia Vascular pelo Hospital Moinhos de Vento
  • Professor e Supervisor do Instituto Abuchaim de Psiquiatria
  • Professor Centro de Estudos Cyro Martins de Psiquiatria
  • Corpo Clínico do Hospital Psiquiátrico Espírita